Páginas

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Onde comer um bom bacalhau à Brás em Lisboa?


Reza a lenda que terá sido um taberneiro galego de apelido Braz a desencantar esta forma engenhosa de trabalhar o fiel amigo. Reza a lenda, e não a História, porque a receita também surge, praticamente igual, com outras designações: bacalhau à Assis ou à lisbonense. Pouco importará, na verdade, se foi Braz, Assis ou um qualquer lisboeta a inventá-la. A verdade é que ficou e tornou-se uma das formas mais unânimes e apreciadas de confecionar bacalhau. Mais, passou de receita a técnica de confeção — é comum ver por aí variações com diferentes matérias-primas: frango, alho francês ou farinheira à Brás, entre outras.

Feitoria convida chef francês para fazer jantar à portuguesa

– 400g de bacalhau
– 500g de batata
– 6 ovos
– 3 colheres de sopa de azeite
– 3 cebolas
– 1 dente de alho
– salsa q.b
– sal e pimenta q.b
– azeitonas pretas de cura natural q.b
– óleo para fritar

Após a demolha do bacalhau, desfia-se o dito, sem espinhas e reserva-se. Cortam-se as batatas muito fininha, vulgo palha, e fritam-se até ficarem louras e estaladiças — há quem opte por usar de pacote: não é ideal mas não assassina a receita. Faz-se um refogado de alho picado e rodelas finas de cebola e quando esta ficar translúcida junta-se o bacalhau, primeiro, e de seguida as batatas. No final, já com o lume baixo, juntam-se os ovos batidos e envolve-se tudo. A ideia é que os ovos fiquem cozinhados, porém cremosos. Para tal convém parar a cozedura assim que atingem o ponto, retirando do tacho para uma travessa ou prato frio. Pode aromatizar-se com salsa ou azeitonas pretas a gosto.

Informação retirada daqui
Postar um comentário

Postagens populares

Recomendamos